Notícias

[Jogos virtuais de desafios] Prevenção para pais, professores e alunos

Postada em 18/04/2017 às 17:18:06

Interação:

[Jogos virtuais de desafios] Prevenção para pais, professores e alunos

O filho adora ficar horas no computador conversando com amigos virtuais. Acha a realidade virtual muito mais interessante do que o mundo real. O que muitos pais desconhecem é o perigo que pode estar por trás do uso sem supervisão da internet e, principalmente, das redes sociais. Jogos virtuais estão chamando a atenção de profissionais e pais do Brasil nesta semana. Especialistas apontam que 'desafio' surgiu na Rússia em 2015 depois de uma notícia falsa. No Brasil, polícia investiga casos de suicídio em três estados.

A sequência de troca de mensagens em redes sociais e tarefas a serem cumpridas faz parte da ação. Nas conversas, um grupo de organizadores, propõe 50 desafios macabros aos adolescentes, como fazer fotos assistindo a filmes de terror, automutilar-se desenhando baleias com instrumentos afiados em partes do corpo e ficar doente. Jogos deste tipo costumam aparecer com inúmeros tipos e tarefas envolvendo os jovens. Aqueles com autoestima baixa, sem vínculo familiar fortalecido são mais vulneráveis a cair neste tipo de armadilha, segundo especialistas.

“Os familiares precisam ter um diálogo aberto com os jovens. Monitorar as ações do adolescente”, explica a psicóloga Suzana Felisberto Cardoso, do Centro de Referência em Assistência Social (Creas). 

"Caso o jovem tenha um grupo familiar fortalecido e  tem confiança nos seus pais ou familiares, dificilmente, ele irá ser atraído para participar de um desafio destes", declara Suzana. 

Os pais devem orientar e supervisionar os filhos. Ter a senha do facebook, snapchat, instragam é um recurso que os pais deveriam contar. Restringir o acesso também é importante, sem estresse e brigas. O jovem precisa ter outras atividades, além da internet. 

A falta de diálogo entre pais e filhos é outro problema apontado pela profissional. “Os filhos crescem e vão se afastando dos pais. Conversar, bater um papo e mostrar episódios narrados pela mídia sobre internet, jogos, abuso sexual, pedofilia, entre outros, devem estar no cotidiano da família. Segundo ela, não é o caso de impor limites e controlar a vida dos jovens na internet, mas sim, mostrar os riscos que existem.

"O conceito de família mudou e criou um vazio em muitos jovens, este vazio, muitas vezes, é preenchido equivocadamente pela sociedade. Ele prefere os amigos, a rede social do que estar com a família", lamenta. 

Dicas: 

- Procure ser educado e cordial também na hora de publicar ou comentar algo na internet;

- Uma mudança brusca de comportamento pode ser sinal de que a criança ou o adolescente esteja sofrendo com algo que não saiba lidar;

- Para entender se a criança ou adolescente está com problemas é fundamental que os pais se interessem por sua rotina;

- Evite colocar endereço, telefone, nome da escola e nome completo;

- Muito cuidado ao divulgar seus desejos, segredos e sonhos. Sua intimidade é muito valiosa, cuide bem dela;

- O que importa é a qualidade e não a quantidade de amigos. Cuidado com estranhos;

- Jamais aceite convite de encontro presencial com quem não conhece;

- Uma vez publicado, tudo pode ser gravado por outros e voltar ao ar.

- Quando publicamos algo, não podemos mais esconder. Qualquer um pode ver, gravar e usar sem nosso controle. Pense muito bem antes de publicar algo;

- As informações podem ser mal interpretadas e usadas contra você por pessoas mal intencionadas;

- Os comentários podem ser violentos e desrespeitosos;

- Lembre-se de que você é responsável legalmente por tudo o que publica.

- Pode ser prejudicial se usada sem limites ou quando substitui todas as outras atividades de lazer;

- Como todo espaço público, pode ser acessada por pessoas mal intencionadas;

- A Internet não é "terra sem lei". Apesar da sensação de anonimato, quem praticar crime por meio dela pode ser identificado e punido;

- Não podemos confiar em todas as informações, nem em todas as pessoas conectadas;

Texto: jornalista Taís Sutero MTB1796

Imagens da matéria

>> Visualizar imagens para download

Mais notícias