---

  • ?
  • ?

---

  • ?
  • ?

Boto Pescador

Botos Pescadores

Atualizado em 25/10/2019 às 18:50

Foto: Elivs Palma Baixar Imagem

Laguna possui o título de Capital Nacional dos Botos Pescadores, devido à população local de aproximadamente 50 botos, também conhecido como Boto da Tainha ou Nariz de Garrafa.

 

Cerca da metade da população local de Botos Pescadores, entorno de 25, caracterizada por ser extremamente residente, possui um comportamento peculiar por realizar a pesca cooperativa com os pescadores artesanais da região. Os cetáceos circulam no canal da barra em busca de peixes para se alimentar, principalmente a tainha, e costumam cercar os cardumes, conduzindo-os na direção dos pescadores, que após um sinal dado pelo animal, jogam suas tarrafas. Os peixes que sobram são presas fáceis para os botos se alimentarem. Ambos se beneficiam desta cooperação, o boto e o pescador.

 

A Pesca com auxílio dos Botos recebeu recentemente o certificado de registro de patrimônio cultural imaterial de Santa Catarina. O cetáceo já é patrimônio do município, entretanto, a cultura que o envolve não era.

 

A chancela foi publicada no Diário Oficial do Estado e está no Livro de Registro dos Saberes, que institui as formas de Registro de Bens Culturais de Natureza Imaterial ou Intangível, que constituem o Patrimônio Cultural de Santa Catarina. Neste contexto, a pesca com auxílio dos botos está inscrita como conhecimento enraizado no cotidiano da comunidade.

 

Botos e as leis

- Foi sancionado este ano o projeto de lei Nº 033/18, do poder executivo, que dispõe sobre a proteção da população de Tursiops Truncatus (Boto Pescador), através da proibição de tipos de artes de pesca consideradas nocivas a espécie.

 

- No dia 25 de maio, é lembrado como o Dia Estadual da Preservação do Boto Pescador. A data comemorativa estadual foi instituída pela Lei 17.084, de 12 de janeiro de 2017, a partir de um projeto de autoria do deputado José Milton Scheffer. O objetivo é promover ações de conscientização sobre a importância da preservação da espécie para o desenvolvimento cultural e econômico da região. O projeto de lei foi sugerido por alunos da Escola de Educação Básica Ana Gondin, de Laguna, participantes de 21ª edição do Parlamento Jovem catarinense.

 

- A cidade do litoral catarinense detém o título de “Capital Nacional dos Botos Pescadores” (Lei 13.818/2016) por desenvolver a pesca cooperativa da tainha com o golfinho da espécie Tursiops truncatus. Os botos, em um movimento sincronizado, cercam o cardume, o pescador aproveita e lança a tarrafa ao mar. Apesar de ser avistado em todo o litoral brasileiro, só na região do Canal da Barra, nos Molhes, o boto apresenta esse comportamento.

 

-De acordo com a lei 521/97, o boto é considerado patrimônio natural da cidade, o que promove o poder de proteger o animal, proibindo atividades que possam causar danos à espécie.

 

Conheça os projetos que existem para proteção e conservação dos Botos Pescadores:

 

Projeto Boto Pescador: é uma iniciativa do Instituto Conceito Ambiental em parceria com a Laboratório de Zoologia da UDESC Laguna, que visa fomentar a pesquisa científica sobre o boto pescador, buscando subsidiar com elementos técnicos à conservação da população. Seja através de publicações científicas, ações de extensão ou incentivando políticas públicas para região.

 

Projeto "A Paisagem Sonora da Pesca Cooperativa na cidade de Laguna": desenvolvido pela ONG Instituto Boto Flipper em parceria com o LACMAM (Laboratório de Acústica e Meio Ambiente) da USP, o projeto começou em janeiro de 2017 e faz o monitoramento sistemático ao longo do dia e registro da paisagem sonora sub aquática, com hidrofones produzidos pelo próprio laboratório da USP, todo com tecnologia nacional. Registra o som dos botos mas também os sons dos peixes, os produzidos pelo homem, ou seja, suas embarcações dentro da água e suas intensidades, além do som da própria tarrafa na pesca cooperativa.